Congresso eleito possui 1/3 respondendo a processos na Justiça. Faxina completa ainda à ser feita

Congresso eleito possui 1/3 respondendo a processos na Justiça. Faxina completa ainda à ser feita

160 deputados federais e 36 senadores eleitos em 2018 respondem processos na Justiça por corrupção; lavagem de dinheiro; Caixa dois e até assédio sexual. Faxina incompleta
Se alguém especialmente o eleitorado que foi às urnas nas eleições de 2018, pensou que a não eleição ou até mesmo a reeleição de muitos políticos aliados de corruptos e mafiosos e ou até mesmo respondendo a processos na Justiça por práticas ilícitas e que disputaram esta eleição e acabaram não eleitos; está muito enganado.

Ocorre que, segundo recente levantamento realizado pelo O Estadão, 1/3 do Congresso eleito nestas eleições de 2018, ou seja, 160 deputados federais e 36 senadores eleitos estão respondendo a processos na Justiça. Seja na esfera judicial de primeira, segunda instância; no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e também junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Portanto. a faxina tão esperada no meio político brasileiro não ocorreu em sua plenitude. Faltam ainda alguns políticos que o quanto mais rápido haver estas conclusões de julgamentos; o povo brasileiro e desta forma o Brasil em si; possa ter mais um passo de avanço no combate a corrupção neste país.

Muitos destes processos contra parlamentares eleitos referem-se a práticas de corrupção; lavagem de dinheiro; Caixa dois de campanha política e até assédio sexual. Entre os alvos destes processos na Justiça constam contra a senadora e presidente nacional do PT Gleisi Hoffmann (PT); que foi eleita deputada federal nesta última eleição; o senador Aécio Neves (PSDB), também eleito deputado federal nestas eleições de 2018, além de outros parlamentares de outras 21 legendas partidárias como desde o PP; PSD;DEM; PSL; PDT;PR;PSB; PCdoB; Psol; PTB e de vários outros partidos contendo alguns de seus líderes envolvidos nestes processos que tramitam no judiciário brasileiro. No caso da senadora Gleisi Hoffmann (PT, trata-se de investigações na Lava Jato enquanto sobre o senador Aécio Neves (PSDB), relaciona-se às investigações envolvendo a J&F.

Ao too os parlamentares respondem a 540 processos na Justiça ( 379 contra deputados e 161 contra senadores ), do quais 334 são por improbidade administrativa – 263 deputados ( atuais e novos eleitos ) e 71 casos envolvendo senadores ( atuais e novos eleitos ). Portanto, o trabalho contra a corrupção no Brasil deve avançar substancialmente a partir da atuação do governo Jair Bolsonaro (PSL), que tem ao seu lado o futuro ministro de Justiça Sérgio Moro nesta missão de combate rigoroso contra a corrupção no Brasil.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.