Faça sua própria criptografia

IDFDVXDSURSULDFULSWRJUDILD. Criptografar nada mais é do que codificar (e decodificar) algum dado. Substituir letras (ou mesmo palavras) por símbolos ou regras vêm sendo utilizado em muitos períodos da história.

Se você achava que a primeira criptografia era aquela desvendada pelos aliados e que encurtou a 2a guerra, é bom pesquisar um pouco mais.

Uma criptografia bem conhecida da antiguidade é a Cifra de César.
Por exemplo, o que está escrito na primeira frase deste texto? Não é erro de digitação! Ficou curioso/a?

A Cifra de César era (supostamente) utilizada para comunicações de guerra e consistia em substituir a letra da palavra por aquela que está 3 letras à frente.

É claro que você pode criar sua própria criptografia (não vale a língua do “P”), mas não esqueça que o receptor de sua mensagem saiba como decifrá-la.

Hoje temos muitas formas de criptografia, com chaves públicas ou privadas, utilizadas nas comunicações, nas transferências de dados pela rede e para garantir a segurança de criptomoedas (o nome vem de criptografia, não das criptas medievais!). Muito difíceis de serem quebradas, muito mais do que a Cifra de César, elas representam a forma mais utilizada de proteção dos dados. Mas isto é outra história tecnológica.

Ah, e se não quiseres decodificar a Cifra de César:
IDFDVXDSURSULDFULSWRJUDILD
FACASUAPROPRIACRIPTOGRAFIA

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.