FLORIANÓPOLIS – Exposed: mais de 80 mulheres jovens relatam abusos em Florianópolis

FLORIANÓPOLIS – Exposed: mais de 80 mulheres jovens relatam abusos em Florianópolis

Jovens mulheres relatam diversos relacionamentos e casos de violência em uma exposição em massa no Twitter com o nome “os assédios de floripa: a thread”; Dpcami vai investigar

A agressão a um animal pode indicar que a pessoa também pratica violência contra outras. Isto é, na prática: um homem que bate em bicho também agride mulher.

Agora, em Florianópolis, um caso de agressão a um cachorro desencadeou uma avalanche de relatos de abusos físicos, psicológicos e sexuais contra jovens mulheres, em maioria menores de 18 anos. São dezenas de “exposeds” sobre relacionamentos abusivos – o ato de expor uma denúncia contra alguém na internet.

O estopim

Há dois dias um rapaz de 19 anos, morador da cidade, divulgou em sua conta no Instagram que havia cortado de forma violenta as orelhas de seu cachorro. Indignadas, diversas garotas começaram a lincha-lo virtualmente. Porém, o buraco era mais em baixo. Algumas relataram que já haviam sofrido algum tipo de abuso por parte dele. Foi o que deu a ignição para que ao menos 80 garotas divulgassem relatos de casos abusivos de diversos outros jovens de Florianópolis.

Em uma thread (linha de narrativa) no Twitter, “VL”, uma garota de 17 anos, juntou e publicou todos esses relatos sob o título “os assédios de floripa: a thread”, que tratam de alguma forma de abuso: opressão psicológica, ameaças, relações íntimas forçadas, importunação sexual, possíveis estupros.

printscreen de um dos relatos de relacionamento abusivo
Um dos relatos na compilação “os assédios de floripa: a thread” divulgado no Twitter nessa quinta-feira (21) por jovens de Florianópolis – Twitter/Reprodução/CSC
Medo impede denúncia formal

De modo geral, todas as mulheres que resolveram contar o que já foi feito contra elas dizem que o fazem com muito medo. Esse medo tem diferentes faces: medo de se expor, medo de ser julgada, medo de ser retaliada, medo de que nada aconteça.

A reportagem do Correio de Santa Catarina, em contato com VL, descobriu que nenhum desses casos foi denunciado às autoridades. “Por quê não denunciaram?”, perguntamos a ela, “a gente sabe como funciona aqui, algumas meninas já tentaram mas desistiram”, disse ela ao telefone.

Compartilhe!

Comment (1)

  • Pai

    Preocupa-me a criação de uma lista com nome de diversos meninos que foi circulada. Sou pai de Meninas e já soube que teve meninas que colocaram nomes de meninos injustamente. Sugiro que as autoridades investiguem para buscar com a mesma intensidade os reais abusadores e igualmente tenha punição para difamação indevida. Abuso é uma acusação muito séria, deve ser feita, sempre com muita responsabilidade.

    23 de maio de 2020 at 17:57

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.