Pode isso, Arnaldo?

Pode isso, Arnaldo?

Causa arrepios o projeto de lei levado pelo Tribunal de Justiça à Assembleia Legislativa propondo a criação de 462 cargos comissionados de assessor jurídico, além de 402 comissionados de assessor de gabinete para servidores efetivos. Conhecendo, como conhecemos, o que é nepotismo cruzado… É muito provável que boa parte destes cargos já esteja com nomes mapeados e até antecipadamente indicados. Quem viver, verá.

Pode isso, Arnaldo 1?

A justificativa é que se trata de atividade altamente especializada, de assessoramento pessoal do magistrado no manuseio de processos, elaboração de estudos e minutas, que exige um perfil adequado do servidor público e extrema confiança do seu superior hierárquico. O que impede, talvez não no todo, mas em parte deles, que sejam concursados?

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.