POLÍCIA – Desembargadores do TRT do Rio presos pela PF, receberam cerca de R$ 16 milhões em um dos esquemas junto ao governo Witzel (Republicanos)

POLÍCIA – Desembargadores do TRT do Rio presos pela PF, receberam cerca de R$ 16 milhões em um dos esquemas junto ao governo Witzel (Republicanos)

Investigações realizadas pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF), que culminaram com a prisão de vários desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), do Rio de Janeiro, durante deflagração da Operação Mais Valia – um desdobramento da operação Tri In Idem; a qual resultou na prisão do então governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel (Republicanos); e que encontra-se afastado do cargo e que foi solto da prisão por determinação de um dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF); apontaram que os desembargadores presos na Operação Mais Valia ( deflagrada na terça-feira,02); reuniram-se semanalmente no Palácio da Guanabara com o governador Wilson Witzel ( Republicanos ), Segundo as investigações da PF e do MPF, estes encontros maioria ocorridos em período noturnos, sempre a base de charutos tratavam sobre o esquema de repasse de valores em forma de propinas milionárias pela organização criminosa, cujo grupo responde por crimes de corrupção; lavagem de dinheiro; organização criminosa; falsidade ideológica, entre outros ilícitos constantes das investigações da P e do MPF.

 

Somente no esquema que visava beneficiar empresas no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), do Rio de Janeiro; a quantia de propinas alcançou cerca de R$ 16 milhões de reais – dinheiro que foram desviados dos cofres públicos do Estado do Rio de Janeiro, segundo estas investigações. A organização criminosa envolvida nesta apuração da PF e do MPF; apontaram ainda que haviam encontros também pelo período da manhã, durante o café da manhã no Palácio da Guanabara a fim de tratarem obre o esquema criminoso de desvio financeiros. O dinheiro desviado dos cofres públicos do Rio de Janeiro, era levado através de parentes dos presos todos advogados, segundo as investigações da P F e do MPF. Foram presos na Operação Mais Valia os desembargadores do TRT-RJ; Antônio Carlos de Azevedo Rodrigues; Fernando Antônio Zorzenan da Silva; José da Fonseca Martins Junior e Marcos Pinto da Cruz, endo este último o que mais marcava presenças ao Palácio Guanabara, como apontaram as anotações de controle de entrada do Palácio Guanabara.

 

O Jornal O Dia, do Rio, traz ampla reportagem sobre o esquema da organização criminosa desmascarada após as investigações realizadas pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF). O caso deve ser analisado pelo conselho nacional que representa a classe de desembargadores que atuam em tribunais regionais do Trabalho no país. E resta esperar o que haverá de ocorrer por parte decisória do Supremo Tribunal Federal (STF) e ou do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), que tem ambos concedidos avalanche de habeas corpus para mafiosos e corruptos deste país. E parece que quanto mais dinheiro desviado dos cofres públicos em todo o território brasileiro por organizações criminosas, mafiosos, corruptos; mais facilidade muitos destes corruptos encontram rapidamente em obter concessões de habeas corpus por parte de Cortes Superiores de Justiça no Brasil.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.